Uma de nossas obras favoritas, de um impacto único, frágil, sentimental. No Museu do pátio do Castelo Sforzesco em Milão, a Pietà Rondanini, a última obra de Michelangelo, a inacabada, está preservada. Representa a mais imperfeita de todas as obras do artista renascentista e, provavelmente pela mesma razão, até a mais poética. 

Em 18 de fevereiro de 1564, Michelangelo com quase noventa anos, estava trabalhando em seu estúdio em Roma, atrás da Piazza Venezia, quando a morte de repente o surpreende. Seu trabalho era uma Pietà, como dizem seus escritos e numerosas cartas que o artista deixou para a posteridade. E mesmo assim, muitos anos após sua morte, essa misteriosa Pietà em questão permaneceu esquecida. Somente em 1952, o ano em que a escultura foi vendida pelos proprietários de um edifício histórico na Via del Corso, em Roma, o Palazzo Rondanini (a estátua recebe seu nome) é que ela revive novamente. Foi assim adquirido pelo município de Milão, que decidiu exibi-la no Castelo Sforzesco.

Pietà Rondanini em Milão

Este complexo de mármore constitui um verdadeiro testamento espiritual de Michelangelo, segundo muitos. A Pietà, como uma escultura, certamente não é um tema desconhecido do mestre, mas por algum motivo permanece de seu uso exclusivo, trabalhando nela em diferentes épocas da sua vida, modificando-a e muitas vezes distorcendo sua aparência e composição.

Depois de muitos anos sem tocá-lo, Michelangelo volta a trabalhar nesse mesmo bloco de mármore, perto dos oitenta anos de idade. A parte inferior, as pernas de Cristo, já estavam perfeitamente acabadas, assim como o braço direito, mas Michelangelo destruiu a parte superior e cavou o corpo do Filho no corpo original da Mãe, como se fosse uma tentativa de revivê-lo, no momento de sua morte. Então, devido a numerosas modificações, o escultor viu-se sem material suficiente para esculpir completamente a mão esquerda da Mãe e assim decidiu esculpir a mãozinha da Virgem em seu corpo: de fato, a mão da Mãe parece entrar no corpo de seu filho. As duas faces e a mão seriam “ásperas e inacabadas”, segundo a descrição do inventário feito após a morte do Mestre, e esse julgamento de incompletude vive até hoje. A impressão comum é que Michelangelo não teve tempo para terminar esse trabalho, nem para começar a trabalhar em um novo bloco de mármore, e que sua conclusão escapou por causa de sua idade, e a força que lhe faltava.

Pietà Rondanini

Mas esta não é a única interpretação da obra. Outra linha de pensamento reconhece como muito significativas as perturbações que atingiram a psique do já maduro artista, marcando-a profundamente. Michelangelo, portanto, tendo modificado sua idéia de existência já idoso, teria modificado em paralelo a idéia de piedade, da Madonna e de Cristo morto.

A verdade é que não importa quão perfeita seja uma obra. O que mais importa é a qualidade de pensamento que a inspirou. Esta escultura é uma compreensão mais profunda da humanidade. Este é o verdadeiro critério de uma obra de arte. E aqui o grande Michelangelo se despe, abandona para sempre aquela perfeição dada pela técnica para abraçar uma harmonia completamente espiritual, mais íntima. As formas de repente parecem se fundir em um único bloco, como em uma síntese final entre Cristo e a Virgem, a Pietà e o bloco de mármore, vida e morte, o trabalho e o artista. O mestre apenas refaz essa obra, num momento de ápice de sua fragilidade interior, imortalizando para sempre na pedra os problemas da alma humana a um passo da morte.

A Pietà Rondanini fica no Museu do antigo hospital espanhol, no pátio do Castello Sforzesco.

Horários

Terça a domingo – 9h às 17h30 (última entrada até as 17h)
Fechado as segundas

Valores (a bilheteria fecha as 16h30)

Inteira 10€
Reduzido 8€
Primeiro domingo do mês 5€
Para comprar online
O ingresso é único para os Museus do Castelo e para as exposições, Pietà Rondanini e iniciativas do programa “Leonardo mai visto”.

10 Comments

  1. Uau, que emocionante deve ser ver ao vivo a ultima obra de Michelangelo… O legal da Pietà Rondanini é que dá para ter uma noção da complexidade do processo criativo, né?

  2. Eu já fui várias vezes pra Milão, e mesmo sempre visitando várias coisas diferentes, ainda não conhecia essa, vou colocar na minha lista para a próxima visita

  3. Que emoção estar de frente para a Pieta, eu ficaria muito emocionada. A arte em si é algo extraordinário né? Nos faz sentir e entender de modo diversificado algo único. Eu adoro ler e entender o que dizem sobre uma obra, depois de viajar dentro da minha própria imaginação sobre ela rs

    • Perdemos a conta quantas vezes já vimos a Pietà e podemos dizer: a emoção nunca, nunca muda! Isso que a transforma em uma obra atemporal e simbólica, o poder de emocionar. Tomara que você venha logo a Milão para sentir toda essa emoção também, é única!

  4. Que descrição mais bonita dessa linda obra de Michelangelo! Fiquei louca para conhecer quando for a Milão!

  5. Sempre tive vontade de ver de pertinho a Pietà Rondanini! O “inacabado” consegue ainda ser mais impactante que o terminado.
    A carga emotiva é muito forte!

    • A carga emocional é muito forte sim, imaginar que foi a última obra de um grande gênio, cheia de simbolismos. Tomara que você venha a Milão logo, vai adorar!

Write A Comment