Segundo uma lenda, seria Toni, um humilde cozinheiro de Ludovico il Moro, duque de Milão, a inventar um dos doces mais tradicionais milaneses. Eis a história: na vigília de Natal, Toni queima o doce preparado para o banquete ducal. Decide assim, sacrificar uma fermentação que havia preparado para um pão de sua ceia pessoal. Acrescenta farinha, ovos, açúcar, passas e frutas cristalizadas, obtendo uma massa fofinha e fazendo um grande sucesso. Ludovico o chama de “Pan de Toni” em homenagem a seu criador.

Outra lenda da origem do Panettone é que o jovem Ughetto di Atellani, que vivia em Milão se apaixonou pela bela Adalgisa, filha de um padeiro. Foi contratado pelo pai da amada para ser seu ajudante e a fim de aumentar as vendas da padaria inventou uma sobremesa: pegou sua melhor farinha, amassou com ovos, manteiga, mel e passas. Foi um sucesso tão grande que todos queriam esse pão. Algum tempo depois os jovens se casaram e viveram felizes para sempre.

A verdadeira origem do Panettone

Era comum celebrar o Natal com um pão mais rico de ingredientes que nos dias “comuns”. O chefe da família cortava uma fatia do pão para cada convidado e deixava uma fatia separada para o próximo ano, em sinal de continuidade.

Panettoni

Até 1395 todos os fornos de Milão tinham permissão de assar pães de trigo apenas no Natal para presentear seus clientes. Assim, a tradição de assar e comer pães enriquecidos no período natalício é muito antiga em toda a Europa.

Em 1606, segundo o primeiro dicionário milanês-italiano, aparece o Panattón ou Panatton de Natal, que é o pão feito de trigo enriquecido com manteiga, ovos, manteiga, uvas passas, amêndoas, mas ainda sem fermento. E deveria ser feito apenas no Natal.

A primeira vez que se fala no uso do fermento é em 1853 no livro “O novo cozinheiro milanês econômico” de Giovanni Felice.

Hoje, em Milão, é consumido o ano todo como sobremesa, mas especialmente no Natal, tamanha tradição. O Panettone é famoso também no Brasil e Argentina. Aqui ele é um pouco mais fofinho e o sabor é um pouco diferente do brasileiro, existem versões salgadas que são recheadas com queijos, salames, presuntos, e ficam uma delicia. A versão doce tradicional tem uma infinidade de sabores, a nossa predileta é a de creme de limoncello (um licor de limão maravilhoso). Adoramos Panettone e você?

Write A Comment